of 1

À descoberta da Montanha Sagrada: Munchite e Montagut (Fevereiro 2017)

15 views
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Description
"Munchite" e "Montagut", dois topónimos referidos no âmbito da primeira conquista de Silves (1189). Ambos parecem relacionar-se com fortificações islâmicas que estariam em actividade na serra de Monchique, nomeadamente no Cerro do
Tags
Transcript
   10  Jornal de MONCHIQUE 28. fev. 2017   ESPECIALIDADES:  Frango na brasa  Bacalhau à Teresinha    Feijão com milhos  Cabrito no forno de lenha  Feijão com couve  Lombo de porco com figos    Carne assada com puré de maçã    Mista de grelhados com migas   Entrecosto de porco preto com migas    Assadura à Monchique Ceiceira - Estrada da Fóia - 8550-245 Monchique Tel. / Fax: 282912392 Organizamos festas para grupos (700 lugares)  PUB MINIMERCADO Loja 1 - Rua Combatentes de Ultramar Loja 2 - Rua Prior Francisco Jorge de Melo n.º 54Tel: 282 911 797 E_mail: padeiro.serra@clix.pt  Entregas ao domicílio HORÁRIO : De segunda a sábado 08h00 às 20h00 Domingos 09h00 às 13h30 e 15h30 às 19h00 pub Local Deseja Boas Festas a todos os seus clientes, fornecedores e amigos Idália Duarte e António Sequeira Duarte Telemóveis - 967 690 415/ 961 467 417 F   ÁBRICA - Sío da Serra - Tel/Fax: 282 912 011E-mail: idaliaduartelda@hotmail.comTALHO - Loja do Porco - Preto Rua Serpa Pinto, 18 - Tel/Fax: 282 913 461CASA DE FABRICO PRÓPRIOPé da Cruz - 8550-467 MonchiqueTel. 282912636 - Tlm. 967690415www. saboresdemonchique.com  PUB SABORES DE MONCHIQUE R. Calouste Gulbenkian, 2.A8550 Monchique - Tel. 282913 151  Munchite e  Montagut   Fábio Capela Arqueólogo  A serra de Monchique vista de sudoeste, nomeadamente da freguesia de Bensafrim Email: monchiqueiro.patrimonio@gmail.com No seguimento da edição ante-rior desta rubrica patrimonial, em que se analisou a antiga denomi-nação da serra de Monchique antes da reconquista cristã, iremos agora abordar dois topónimos referidos no âmbito da primeira conquista de Silves – efetuada em 1189 no reinado de D. Sancho I. Importa realçar que ambos os topónimos parecem relacionar-se com fortifi-cações islâmicas que estariam em atividade na serra de Monchique.A primeira referência escrita sobre Monchique em fontes cristãs encontra-se na  Narratio de Itinere  Navali  – obra redigida por um cruzado nórdico que participou na primeira conquista de Silves, no âmbito da Terceira Cruzada à Terra Santa (1189-1192). Graças a este importante périplo, riquíssimo em informações geográficas, sabemos os nomes de dez castelos situados nos arredores de Silves que ficaram em posse dos cristãos, designada-mente: Carphanabal ,  Lagus ,  Alvor  , Porcimunt  ,  Munchite ,  Montagut  , Caboiere ,  Mussiene , Paderne  e  Albafere . Contudo, subsistem dú-vidas quanto à localização exata de algumas dessas fortificações. Relativamente ao atual Algarve – do árabe al-Gharb  que significa “o Ocidente” –, a descrição dos lugares e das fortalezas referidas é efetuada, geograficamente, de oeste para leste, uma vez que a viagem marítima dos cruzados, após dobrarem o cabo de São Vicente (vindos de Lisboa), é realizada nesse sentido. No que concerne ao castellum  de  Munchite  existem evidências de que poderá corresponder às ruínas da fortificação islâmica que coroa o Cerro do Castelo da Nave – situado na zona xistosa, aproxi-madamente quatro quilómetros a sudoeste da Vila de Monchique. Os dados científicos disponíveis reportam-se, somente, a prospeções arqueológicas, todavia a análise dos fragmentos cerâmicos recolhidos permitiu avançar com uma crono-logia de ocupação enquadrável nos séculos XI-XII da nossa era, ou seja, é bastante provável que essa fortificação estivesse ativa em 1189. Embora bastante arrasada, ainda se verificam alguns vestígios de estru-turas arqueológicas, nomeadamente o ângulo de uma torre maciça e um longo fragmento de muralha. Com efeito, seria importante realizar uma intervenção arqueológica neste sítio antes que seja irremediavelmente destruído.O outro topónimo referido é  Montagut  , que literalmente signifi-ca “Monte Agudo”, portanto pode ser entendido como uma caracte-rística orográfica, nomeadamente um terreno elevado e pontiagudo. Atendendo ao facto de esse nome surgir após a referência aos castelos de Porcimunt   e  Munchite , prece-dendo os de Caboiere  e  Mussiene , é provável que se relacione com a fortificação islâmica existente no topo do Cerro do Castelo de Alfer-ce. Até ao momento não foi com-provada uma ocupação atribuída ao século XII da nossa era nesse sítio arqueológico, no entanto investiga-ções arqueológicas futuras poderão esclarecer esta problemática.Em termos geomorfológicos verifica-se que, desde o cabo de São Vicente até ao concelho de Portimão, o afloramento sienítico da Picota apresenta uma forma pi-ramidal, isto é, configura um monte agudo. Assim sendo, a referência ao castellum  de  Montagut   poderá constituir uma menção ao formato pontiagudo da serra da Picota, tendo em conta a existência de um castelo islâmico no seu extremo oriental – o castelo de Monte Agudo. Por outro lado, embora não existam provas concretas, é tentador associar o topónimo Alferce com a designa-ção latina  Montagut  , considerando o arabismo alferce que surge na língua portuguesa medieval e atual como vocábulo derivado da palavra árabe  al-fa’s  (“o pico”), relaciona-do com um utensílio de trabalho agrícola que pode ser interpretado como alvião, enxadão ou picareta. Desse modo, Alferce, em sentido lato, poderia constituir uma alusão à configuração do afloramento siení-tico da Picota ou, em sentido estrito, a alguma característica do próprio Cerro do Castelo de Alferce – que também apresenta uma morfologia piramidal, porém não aguda. Neste âmbito, não é descabido lançar a hi-pótese de que as designações  Munt Š  ā qir e  Montagut   correspondem à atual serra da Picota – o antigo Monte Sacro. r Bibliografia: ALVES, J. A. C. (2013) –  Dicionário de  Arabismos da Língua Portuguesa . Imprensa Nacional-Casa da Moeda, S.A., Adalberto Alves, Lisboa.CAPELA, F. F. G. S. (2014) – Contri-butos para o conhecimento da Pré-história  Recente e da Proto-história da Serra de  Monchique.  Arandis Editora, Município de Monchique, Albufeira.CATARINO, H. et alii  (2012) – La céramique islamique du Garb al-Andalus: contextes socio-territoriaux et distribution.  Atti del IX Congresso Internazionale sulla Ceramica Medievale nel Mediterraneo  (Ve-nezia, 23-27 novembre 2009), All’Insegna del Giglio, Firenze (Florença), pp. 429-441.GOMES, R. V. (2002) – Silves (Xelb), uma cidade do Gharb Al-Andalus: território e cultura. Trabalhos de Arqueologia. 23, IPA, Lisboa.GRANGÉ, M.; DEWULF, J. (2006) – O Cerro do Castelo da Nave (Monchique): imagem de superfície de um assentamento islâmico no vale da Ribeira de Boina. Xelb. 6 - Actas do 3º Encontro de Arqueologia do Algarve, Vol. II, Faro, pp. 87-104.MELO, L. (2016) – Guerra de Cerco (Silves).  Al-Madan Online , IIª série, 20, Tomo 2, Centro de Arqueologia de Almada, Almada, pp. 64-72.MEULEMEESTER, J.; GRANGÉ, M.; DEWULF, J. (2006) – Novos dados sobre o povoamento altomedieval na Serra de Monchique (séc. VI-IX): Intervenção ar-queológica no Cerro do Castelo do Alferce, Monchique, Faro (2004). Xelb. 6 - Actas do 3º Encontro de Arqueologia do Algarve, Vol. I, Faro, pp. 261-280.OLIVEIRA, L. F. (1999) – Uma for-tificação islâmica do termo de Silves: o Castelo Belinho.  Arqueologia Medieval . 6, Campo Arqueológico de Mértola, Edições Afrontamento, Porto, pp. 39-46.SILVA, L. F. da; FERNANDES, M. A. (2011) –  Iberia and Algarve in the “Narratio de Itinere Navali”: a historical geography appraisal, with a philological supplement  . Versão digital 3 (publicada em 04-07-2011 pelas 21:39), Campo Arqueológico de Tavira, Tavira.SOUSA, J. de (1789) – Vestigios da lingua arabica em Portugal, ou Lexicon etymologico das palavras, e nomes portu-guezes, que tem srcem arabica. Officina da Academia Real das Sciencias, Lisboa. Suporte informático: IMPROMPTO (  Narratio de Itinere  Navali  – Itinerário na Península Ibérica dos cruzados que participaram na 1ª conquista de Silves):   http://imprompto.blogspot.pt/2010/11/narratio-de-itinere-navali.html
Related Search
Advertisements
Related Docs
View more...
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks