of 18

ASPECTOS DA LÍNGUA KAINGANG

25 views
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Description
As línguas indígenas brasileiras expressam, antes de tudo, patrimônio cultural da nação. Não existem “índios”, mas sim povos indígenas, sociedades distintas com organizações sociais muito complexas. Esses povos são cerca de 220 no Brasil, tendo-se
Transcript
  I Encontro Internacional Sociedade, Cultura e Fronteiras: Interdisciplinaridade em Foco – 2013 ASPECTOS DA LÍNGUA KAINGANGToni Juliano Bandeira (UNIOESTE/Cascavel, Paraná, Brasil) 1 RESUMO: As línguas indígenas brasileiras expressam, antes de tudo, patrimônio cultural da nação. Não existem “índios”, mas sim povos indígenas, sociedades distintas com organizações sociais muito complexas. Esses povos são cerca de 220 no Brasil, tendo-se aproximadamente 170 línguas vivas. Segundo Aryon Rodrigues, um dos mais importantes pesquisadores das línguas indígenas brasileiras, “é provável que na época da chegada dos primeiros europeus ao Brasil, o número das línguas indígenas fosse o dobro do que é hoje”. (1986, p. 19). Neste sentido, este trabalho procura mostrar aspectos de umas das línguas indígenas com maior número de falantes no Brasil: o Kaingang. O povo que a fala é um dos mais populosos do país, sendo que o censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísca aponta este povo como o terceiro em número de população, com 37.470 indivíduos, sendo que o povo Tikuna é o mais populoso (46.045), seguido pelo povo Guarani Kaiowa (43.401). Seus integrantes vivem nos três estados da região Sul do país e também no oeste de São Paulo. São falantes da língua que dá nome à etnia e identificados geneticamente ao tronco linguístico Macro-Jê.PALAVRAS-CHAVE: Língua Kaingang; Aspectos Gramaticais; Línguas Indígenas; Introdução As línguas indígenas brasileiras expressam, antes de tudo, patrimônio cultural da nação. Não existem “índios”, mas sim povos indígenas, sociedades distintas com organizações sociais muito complexas. Esses povos são cerca de 220 no Brasil, tendo-se aproximadamente 170 línguas vivas. Na realidade, não há como precisar este número, devido ao fato de que muitas dessas línguas são muito pouco conhecidas, tendo-se, além disso, povos que vivem isolados na floresta amazônica, não se sabendo que idiomas falam. Outras centenas de línguas desapareceram sem que fossem registradas, tendo-se a impressão de que o Brasil é um país monolíngue. Segundo Aryon Rodrigues, um dos mais importantes pesquisadores das línguas indígenas brasileiras, “é provável que na época da chegada dos 1  Graduando do 4° ano do curso de Letras – Português/Espanhol pela UNIOESTE/Cascavel. Bolsista PIBIC/CNPQ. E-mail: tonibandeira@bol.com.br.  I Encontro Internacional Sociedade, Cultura e Fronteiras: Interdisciplinaridade em Foco – 2013 primeiros europeus ao Brasil, o número das línguas indígenas fosse o dobro do que é hoje”. (1986, p. 19). Sabe-se que as línguas se constituem tendo como base propriedades comuns, no entanto, as mesmas estão sempre em processo de modificação, isso porque estão expostas a fatores de instabilidade e variação. Sendo as alterações linguísticas determinadas socialmente, pode-se pensar na multiplicação de uma única língua em duas ou várias, e isso é comprovado se analisarmos, por exemplo, os troncos e famílias linguísticas das línguas faladas pelos povos indígenas do Brasil. A vida em determinada comunidade faz com que seus falantes façam “acordos” sobre as transformações que um idioma sofre, mantendo-se, assim, comunicação entre os sujeitos que dela fazem uso. Porém, quando dois grupos de uma mesma comunidade se separam e deixam de manter contato, não há mais necessidade de atualização das modificações que sofreu a língua que falavam enquanto viviam juntos. É assim que as línguas devem ter se multiplicado em todo o mundo, e assim ocorreu no caso dos idiomas indígenas brasileiros, isso, claro, no decorrer de milhares de anos. (RODRIGUES, 1986). Na época da conquista portuguesa, o contato se deu primeiramente com os povos de língua Tupi, os quais dominavam a costa do país. Desta forma, de acordo com Lucy Seky (2000), excetuando-se o Kariri, a língua destas nações foi a única estudada durante os três primeiros séculos da colonização. Os materiais linguísticos deste período foram produzidos principalmente pelos jesuítas, destacando-se o famoso José de Anchieta, que em 1595 escreveu a primeira gramática da língua Tupi. Nesta época os povos que não tinham origem Tupi eram popularmente conhecidos como “tapuias”, termo que neste idioma significa “bárbaro”, “inimigo”, fato que fez com que estas línguas fossem praticamente desconhecidos até o século XIX. O Tupi tornou-se a Língua Geral e foi amplamente utilizado pelos portugueses durante o processo de colonização, assim como outros povos indígenas aprenderam-na por imposição portuguesa, o que aconteceu, por exemplo, na região Rio Negro, onde atualmente esta língua ainda é falada. De acordo com Rodrigues, as línguas do mundo são classificadas em famílias segundo o critério genético. (1986). Assim, uma família linguística “é um grupo de línguas para as quais se formula a hipótese de que têm uma srcem comum, no sentido de que todas as línguas da família são manifestações diversas, alteradas no  I Encontro Internacional Sociedade, Cultura e Fronteiras: Interdisciplinaridade em Foco – 2013 correr do tempo, de uma só língua anterior”. (RODRIGUES, 1986, p. 29). Como exemplo, podemos observar línguas como o Português, o Espanhol, o Italiano, o Catalão, entre outras, as quais derivam do Latim, língua bem conhecida historicamente. O mapa abaixo 2 , elaborado pelo Instituto Socioambiental, mostra as famílias das línguas indígenas faladas no Brasil: No entanto, para a maioria das famílias linguísticas, as línguas das quais teriam tido srcem são desconhecidas, sem nenhum tipo de documentação. Assim, para se conhecer características delas, utiliza-se o estudo histórico-comparativo, 2  Disponível em: <http://pibmirim.socioambiental.org/linguas-indigenas>.  I Encontro Internacional Sociedade, Cultura e Fronteiras: Interdisciplinaridade em Foco – 2013 com o qual é possível verificar regularidades de sons, palavras e aspectos gramaticais presentes em duas ou mais línguas. Este trabalho permite a elaboração de hipóteses sobre as características da língua ancestral, bem como sugestões acerca de como as línguas atuais foram se diferenciando. (RODRIGUES, 1986). No quadro que segue, Aryon Rodrigues apresenta palavras que demonstram evidências do parentesco linguístico dentro do tronco Tupi. As línguas comparadas são o Tupinambá (Tb), da família Tupí-Guaraní; o Mundurukú (Mu), da família Mundurukú; o Karitiâna (Ka), da família Arikém; o Tuparí (Tp), da família Tupari; o Gavião (Ga), da família Mondé; e o Awetí, língua isolada ao nível familiar (Aw). Na análise do quadro, Rodrigues salienta que: Mais importante que a semelhança entre palavras para o mesmo conceito em diferentes línguas, como prova de srcem comum, é a regularidade nas correspondências de sons. Note-se como, em Karitiâna, à vogal o das demais línguas corresponde sistematicamente a vogal y (em 1, 4, 7 e 9); à vogal e das outras, corresponde em Karitiâna a vogal a (3, 5, 8 e 9); à vogal y   do Tupinambá e do Awetí, corresponde a vogal i, não só no Karitiâna, mas também no Mundurukú, no Tuparí e no Gavião (2, 6, 7 e 10; mas o Karitiâna e o Tuparí têm e e y, respectivamente, depois de consoante posterior, como em 10). O Gavião tem a consoante t no fim das palavras que nas outras línguas apresentam n. O leitor pode facilmente identificar outras correspondências sistemáticas entre cada par de línguas comparadas. (RODRIGUES, 1986, p. 44). Os estudos comparativos dessas línguas de diversas famílias linguísticas possibilitaram a afirmação de que elas descendem de uma língua ancestral, a qual convencionou-se denominar de Proto-Tupí. Essa língua pré-histórica deve ter  I Encontro Internacional Sociedade, Cultura e Fronteiras: Interdisciplinaridade em Foco – 2013 existido há milhares de anos, mas é difícil estabelecer sua srcem, pois poucos fragmentos podem ser recuperados. (RODRIGUES, 1986, p. 46). 2 - A língua Kaingang e seus falantes O povo indígena Kaingang é o terceiro em número de população no Brasil, com 37.470 indivíduos, sendo que o povo Tikuna é o mais populoso (46.045), seguido pelo povo Guarani Kaiowa (43.401). (IBGE, 2012). Seus integrantes vivem nos três estados da região Sul do país e também no oeste de São Paulo. São falantes da língua que dá nome à etnia e identificados geneticamente ao tronco linguístico Macro-Jê. O contato com a sociedade não-índia foi levado a cabo, de maneira mais intensa, na segunda metade do século XIX e início do século XX, quando vigorava a política de pacificação dos povos indígenas em território nacional, contato que gerou consequências drásticas como a expropriação territorial, conflitos internos, doenças e mortes. Este saldo negativo, no entanto, não significou a morte do povo, pelo contrário, os Kaingang se orgulham de seus costumes e modo de vida, mantêm a língua materna e recriam continuamente suas táticas de manutenção cultural frente ao modelo hegemônico de organização social da sociedade nacional. De acordo com Wilmar D’angelis, importante pesquisador do Kaingang, “a maioria das línguas e povos da família Jê vive bem mais ao norte: os Xavante (Mato Grosso), os Parakatéye (Pará), os Mebengokre, conhecidos como Kayapó (Pará e Mato Grosso), os Xerente, os Krahô, os Apinayé (Tocantins), os Apaniekrá, os Pukobyé, os Krinkati (Maranhão) e alguns outros”. 3  A língua Kaingang é falada em cerca de 30 terras indígenas nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, sendo que junto à língua Xokleng, são os únicos idiomas representantes do tronco Macro-Jê na região Sul do país. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (2010) são falantes do idioma Kaingang 22.027 indígenas, número que não considera crianças com menos de 5 anos. Wilmar D’Angelis elaborou o seguinte mapa, mostrando o espaço geográfico ocupado pelos falantes do idioma: 3  Disponível em <www.portalkaingang.org/Lgua_Kaingang.pdf>. Todas as referências de Wilmar D’Angelis utilizadas nesta pesquisa são do artigo disponível nesta página da internet.
Related Search
Advertisements
Related Docs
View more...
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks