of 4

Reflexões sobre os conceitos de Região e Regionalismo nos estudos internacionais

18 views
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Description
Reflexões sobre os conceitos de Região e Regionalismo nos estudos internacionais
Tags
Transcript
  1 22 de novembro de 2016  Reflexões sobre os conceitos de Região e Regionalismo nos estudos internacionais Por Larissa Rosevics A maneira como percebemos e refletimos o mundo contemporâneo, a partir de denominações regionais que expressam muito mais do que aspectos geográficos, pertence a uma tradição acadêmica construída a partir da realidade internacional instaurada no pós Segunda Guerra, com a ascensão dos Estados Unidos como grande potência mundial e da bipolaridade com a URSS no Sistema Internacional. Conhecido como a era de “ouro” do capitalismo, os 25 anos que sucederam a Segunda Guerra Mundial foram de intenso crescimento econômico mundial e de declínio do domínio ocidental do mundo, com o surgimento dos movimentos sociais e das reivindicações por emancipação nas últimas colônias. A conjuntura pós Segunda Guerra de crescimento econômico possibilitou o aumento dos investimentos nas áreas de ensino e pesquisa e a expansão universitária, das quais as Ciências Sociais foram amplamente favorecidas, especialmente nos Estados Unidos. Dentre as principais inovações no campo das Ciências Sociais pós 1945 está o surgimento dos “estudos de área”, ou seja, a divisão do mundo em áreas geográficas, identificadas segundo critérios geográficos/ políticos/ econômicos/ socioculturais/ históricos/ e linguísticos, com objetivo de estabelecer estudos orientados e especializados das mesmas. (...) La ideia básica de los estudios de área era muy sencilla: un área era una zona geográfica grande que supuestamente tenía alguna coherencia cultural, histórica y frecuentemente lingüística. La lista que se fue formando era sumamente heterodoxa: la URSS, China (o  Asia Oriental), América Latina, el Medio Oriente, África, Asia Meridional, Asia Sudoriental, Europa Central y Centro-oriental y, mucho más tarde, también Europa Occidental. En algunos países Estados Unidos (o América del Norte) pasó a ser igualmente objeto de estúdios de área. Por supuesto que no todas las universidades adoptaran exactamente estas categorías geográficas. Hubo muchas variaciones. (WALLERSTEIN, 1996, p.40-41) Desta maneira, espaços geográficos do globo, antes identificações cartográficas, passaram a ser caracterizados também a partir das semelhanças existentes entre os Estados que as compõem. Wallerstein (1996) destaca que, as motivações políticas da difusão dos “estudos de área” nos Estados Unidos,  2 eram claras: o novo papel político do país no cenário internacional gerou a necessidade de profissionais especializados capazes de fornecer informações relevantes sobre cada uma dessas regiões, especialmente em um contexto de ampliação progressiva das atividades políticas e de Guerra Fria. A eficiência alcançada pelos “estudos de área” nos Estados Unidos permitiu a multiplicação e em certa medida, a naturalização, da ideia de região (para além de seus aspectos geográficos) e das suas constituições ao redor do mundo. A difusão dos “estudos de área” instituiu a visão de um mundo partido em regiões, em que cada qual detém características políticas, econômicas e socioculturais próprias e distintas umas das outras. A existência de diferentes variáveis na composição dos estudos de cada região possibilitou um ambiente propício para o diálogo multidisciplinar entre as diferentes áreas das Ciências Sociais e a adoção de dados quantitativos nas análises dos pesquisadores, inclusive dos historiadores. Dentre as consequências dos “estudos de área” está o questionamento em relação a divisão que até então persistia entre o “mundo ocidental” e o “mundo não ocidental”. Desmistificada a ideia de que em essência os dois mundos eram diferentes, surge a partir dos “estudos de área” um novo paradigma que, conforme Wallerstein (1996), procura demonstrar que todas as regiões são iguais, mas não no todo. Trata-se da concepção teórica de modernização, que define a existência de um mesmo caminho modernizante para todos Estados e regiões. A ideia de “Desenvolvimento” surge, neste contexto, como sendo o processo pelo qual cada Estado avança rumo à modernização. A lógica da teoria da modernização leva a crença de que os Estados e regiões são iguais entre si e, o que os distingue são em estágios diferentes de Desenvolvimento em que se encontram. O movimento acadêmico de constituição de núcleos de estudo especializados em determinadas regiões do globo ampliou em quantidade e qualidade o volume de estudos e informações sobre a África, a América Latina, a Ásia Oriental, a Europa Central, o Oriente Médio e etc. Paralelo a este movimento acadêmico, e talvez em parte fortalecido por ele, é possível perceber, pós 1945, um movimento de politização dessas regiões, através da constituição de projetos de cooperação e de integração regional. Como Andrew Hurrel (1995, p.25) destaca “(...) a maneira como os atores políticos percebem e interpretam a ideia de região é central: todas as regiões são socialmente construídas e, portanto, politicamente passíveis de serem contestadas.”.  Para Hurrel (1995), o Regionalismo, enquanto um movimento pertencente a política mundial, é composto por cinco categorias distintas: 1) A regionalização: referente ao crescente interação social e econômica entre os indivíduos de uma determinada região e não coordenado por políticas concretas dos Estados; 2) Consciência e identidade regional: processo de construção de uma comunidade imaginada entre aqueles que habitam uma  3 mesma região; 3) Cooperação regional entre Estados: atividade que envolve a assinatura de acordos e a construção de regime interestatal entre os Estados membros de uma determinada região, podendo envolver a criação de instituições formais, com reuniões regulares e a construção de regras comuns a todos; 4) Integração econômica regional promovida pelos Estados: processo que se dá através de decisões políticas entre os Estados de reduzir ou remover barreiras ao intercambio mútuo de bens, serviços, capitais e pessoas; 5) Coesão regional: momento em que os quatro processos anteriores possibilitam uma unidade regional coesa e consolidada, permitindo que os Estados da região definam suas ações de maneira coletiva no Sistema Internacional, e que acontecimentos regionais tenham reflexos nas políticas internas dos Estados. A análise de Hurrel (1995) das cinco categorias que compõe o Regionalismo demonstra que ele não se restringe aos processos de integração econômica. A União Europeia e o Mercosul são projetos de integração que envolvem processos políticos, econômicos, sociais e culturais. Conforme define Carlos Medeiros (2008) A regionalização, entretanto, não constitui apenas ou essencialmente um processo de afirmação de um acordo econômico ou que se justifique apenas neste plano. A regionalização, particularmente em suas formas mais desenvolvidas —  como a união aduaneira, o mercado comum (onde não apenas bens e serviços, mas também os fatores de produção podem se mover livremente) e o mercado único (estabelecimento de regras e direitos idênticos), onde há acordos macroeconômicos, monetários e cambiais —  constitui construções políticas voltadas para projetos políticos ou em reação a projetos políticos. A racionalidade da formação do mercado comum ou dos acordos regionais traduz projetos políticos relativos à autonomia dos Estados nacionais e das regiões. Estes projetos pretendem aumentar o seu poder de barganha vis-à-vis a outros Estados e regiões e possuem razões políticas que transcendem os objetivos econômicos e comerciais e decorrem das estratégias de poder dos Estados nacionais. As diferentes correntes teóricas de Relações Internacionais buscaram entender os motivos pelos quais o Regionalismo acontece. Hurrel (1995) busca compreender o Regionalismo a partir de três abordagens: a das Teorias Sistêmicas (como o realismo estrutural); aquelas que enfatizam a ligação entre o Regionalismo e a interdependência regional; e as Teorias de nível interno. A conjuntura pós Guerra Fria de consolidação da hegemonia americana e do modelo neoliberal influenciou diretamente os Regionalismos no mundo. As tendências comunitárias, focadas na construção de economias complementares e em instituições promotoras da solidariedade entre os Estados foram substituídas pela lógica liberal de abertura de mercados e desregulamentação das economias nacionais. A lógica do regionalismo aberto, que prevaleceu na década de 1990, procurou conciliar a crescente interdependência regional resultante dos acordos preferenciais realizados entre os Estados, com a tendência internacional de  4 promoção do livre comércio, fortalecida com a criação em 1994 da Organização Mundial do Comércio (OMC). Para projetos de integração regional de países em desenvolvimento, como o caso dos países membros do Mercosul, o regionalismo aberto deveria servir como uma etapa dentro do processo gradual de abertura econômica, ao mesmo tempo em que, os projetos deveriam ampliar o poder de barganha de uma região em relação a outras. O regionalismo aberto deixou de fomentar projetos de industrialização das economias dos Estados parte, para fortalecer a ideia de crescimento econômico pautado nas exportações e na conquista de mercados altamente dinâmicos e competitivos. Na prática, o “regionalismo aberto” promoveu a abertura, a liberalização, a privatização, as reformas estruturais de cunho liberalizante e as políticas macroeconômicas propostas pelo Consenso de Washington e implementadas na América Latina, nos anos 90. (CORAZZA, 2006, p.148) No caso da América Latina, o regionalismo aberto não foi capaz de promover um crescimento econômico estável, não melhorou a equidade social nos Estados e nem diminuiu a vulnerabilidade externa dos mesmos. Sua lógica demonstra que os projetos de integração regional precisam ir além dos aspectos econômicos e estar pautada em projetos geopolíticos e de desenvolvimento econômico e social claramente definidos e acordados pelos Estados. Referências CORAZZA, Gentil. O “regionalismo aberto” da CEPAL e a inserção da América Latina na globalização. Ensaios FEE  , Porto Alegre, v.27, n.1, maio 2006, pp.135-152. HURRELL, Andrew. O ressurgimento do regionalismo na política mundial. Contexto Internacional , Rio de Janeiro, vol.17, n.1, p.23-59, jan./jun. 1995. MORAES, Antonio Carlos Roberto. Geografia:  pequena história critica. 20.ed.São Paulo: AnnaBlume, 2005. MEDEIROS, Carlos Aguiar. Os dilemas da integração sul-americana.  Cadernos do Desenvolvimento, n.5, ano 3, Rio de Janeiro, p.213-255, dez.2008. WALLERSTEIN, Immanuel (coord.).  Abrir las ciencias sociales : informe de la Comisión Gulbernkian para la reestruturación de las ciencias sociales. Madrid: Siglo XXI Ed., 1996. TEXTO PUBLICADO NO BLOG DIÁLOGOS INTERNACIONAIS. Endereço do texto: http://www.dialogosinternacionais.com.br/2016/07/reflexoes-sobre-os-   conceitos-de-regiao.html 
Related Search
Advertisements
Related Docs
View more...
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks